Integrantes do Ministério Público Federal que atuam na força-tarefa da Operação Lava Jato informaram ao Blog que não trabalham com o cenário de uma eventual delação premiada do deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR).

Ex-assessor especial de Temer, Rocha Loures foi flagrado recebendo uma mala com R$ 500 mil da JBS, em São Paulo. Até o momento, Loures não deu nenhum sinal de que deseja colaborar, apesar do receio no Palácio do Planalto (nesta segunda, ele mudou de advogado).

Aliados de Temer trabalham para convencer Osmar Serraglio (PMDB-PR) a permanecer no governo.

Ao convidar o ministro Torquato Jardim (Transparência) para a Justiça, posto ocupado até então por Serraglio, Temer ofereceu o Ministério da Transparência ao peemedebista.

O objetivo no núcleo palaciano é manter o foro privilegiado de Rocha Loures, já que ele é suplente de Serraglio.

G1