Páginas

Pelo menos dez municípios têm mais eleitores que habitantes na Paraíba

População_pernambuco
JOSUSMAR BARBOSA – Do Jornal da Paraíba
Dos 98 municípios da Paraíba onde haverá recadastramento biométrico do eleitorado, o número de votantes supera o de habitantes em dez cidades. O ‘fenômeno’ da multiplicação dos eleitores é percebido com o cruzamento do eleitorado, publicado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e com a população estimada de 2014 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Encabeça a lista a cidade de Lastro, no Sertão, que possui 2.787 habitantes e 3.212 eleitores, ou seja, 15,2% a mais. Em Cajazeirinhas, o eleitorado chega a 3.447 para 3.148 habitantes, uma diferença de 229. No Curimataú, Algodão de Jandaíra tem 2.723 votantes e 2.461 moradores.
Em relação aos municípios onde não haverá este ano a revisão eleitoral, dois são marcados pelo “excesso” de votantes. Em Bom Jesus, no Sertão, estão cadastrados 2.742 eleitores aptos a votar, contingente superior aos 2.514 habitantes. Na mesma região, Santa Inês tem o eleitorado de 3.865 para uma população de 3.593.
Em virtude da falta de recursos, o Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB) está buscando parcerias com prefeituras para viabilizar o cadastramento de eleitores em 98 cidades. No meio de semana, o presidente do TRE, desembargador João Alves da Silva, conclui a penúltima etapa de visitas às cidades contempladas com a Biometria 2015.
Ele se reuniu com autoridades dos municípios que compõem as Zonas Eleitorais de Soledade (23ª), Juazeirinho (56ª), Patos (28ª e 65ª), Santa Luzia (26ª), Teixeira (30ª) e Taperoá (27ª). O encontro conta com a presença de juízes eleitorais, chefes de cartórios, presidentes de câmaras e prefeitos. O último encontro ocorreu em Patos.
“Passamos pelo Litoral, Brejo, Cariri e estamos hoje no Sertão, onde continuaremos na semana seguinte e, nos municípios visitados até agora não encontramos nenhuma dificuldade dos prefeitos ou dos presidentes de câmaras. Todos estão se comprometendo a ajudar”, afirmou João Alves. Os trabalhos foram iniciados nos cartórios e serão intensificados em agosto.
Leia mais

UFCG convoca 687 candidatos na 4ª chamada do Vestibular 2015.2

UFCG convoca 687 candidatos na 4ª chamada do Vestibular 2015.2UFCG
A Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) divulgou nesta segunda, dia 27, a 4ª chamada da Lista de Espera do Vestibular 2015.2. Foram convocados 687 candidatos que devem realizar o cadastramento nos dia 30 e 31 de julho.
Acesse editais:
O cadastramento deve ser efetuado na coordenação do curso para o qual o candidato foi aprovado. O horário de atendimento será das 08h às 11h30 e das 14h às 17h.  
São exigidos para o cadastramento o certificado de conclusão do ensino médio (2º grau) ou curso equivalente, ou diploma de graduação em curso superior, devidamente assinado pelo candidato e pela escola; identidade, CPF, título de eleitor para os brasileiros maiores de 18 anos, com comprovante de presença na última eleição (1º e ou 2º turno da eleição de 2012), prova de quitação com o serviço militar, para os brasileiros do sexo masculino e maiores de 18 anos, certidão de nascimento ou de casamento, e comprovante de residência.
O cadastramento é obrigatório e o não comparecimento ao ato de cadastramento ou a não apresentação da documentação exigida implica na perda do direito de vaga.
A matricula em disciplinas acontece no dia 17 de agosto e as aulas serão iniciadas no dia 24 de agosto.
Lista de Espera
 Caso haja vagas remanescentes, ocasionadas pelo não comparecimento de candidatos ao ato do cadastramento ou não apresentação da documentação exigida, estão previstas mais quatro chamadas a serem divulgadas nos dias 03, 10, 17 e 24 de agosto.
Leia mais

Ex-tesoureiro diz que desvio de dinheiro é “pingo d’água” do que ele sabe sobre irregularidades em CG

renantrajano
O ex-tesoureiro da Prefeitura de Campina Grande, Rennan Trajano, afirmou na tarde desta segunda-feira (27) que as denúncias contra o ex-prefeito da cidade e atual deputado federal, Veneziano Vital do Rêgo (PMDB), e o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) e ex-senador, Vital do Rêgo Filho, divulgadas na edição de hoje da ‘Folha de S.Paulo’ são “um pingo d’água no oceano” do que ele sabe sobre os “Vital”.

Rennan Trajano revelou que foi o responsável por coletar diversos cheques sem fundo emitidos durante a campanha eleitoral de Veneziano. Além disso, era ele quem mediava as conversas com empresas de lixo para o serviço não ser interrompido por falta de pagamento.
Ele também reafirmou as declarações que concedeu à ‘Folha de S.Paulo’ ao destacar que os irmãos Vital teriam se apropriado de recursos da Prefeitura de Campina Grande para galgarem os cargos de senador e deputado federal.
O ex-tesoureiro garantiu que irá resolver as pendências com Veneziano através da justiça. “Vou enfrentá-lo na justiça, quem está com a verdade não teme. Não tenho medo de você (Veneziano), nem do seu irmão (Vital)”, disse.
Leia mais

MPF coleta assinaturas para apoio a medidas de combate à corrupção e à impunidade


Propostas de alteração legislativa serão entregues ao Congresso Nacional em forma de projeto de lei de iniciativa popular; objetivo é atingir 1,5 milhão de assinaturas em todo o Brasil

corrupção3
O Ministério Público Federal (MPF) começou a colher, em todo o Brasil, assinaturas de cidadãos que apoiam dez medidas para aprimorar a prevenção e o combate à corrupção e à impunidade. As propostas de alterações legislativas buscam evitar o desvio de recursos públicos e garantir mais transparência, celeridade e eficiência ao trabalho do Ministério Público brasileiro com reflexo no Poder Judiciário. A íntegra das medidas e a ficha de assinatura estão disponíveis no site www.10medidas.mpf.mp.br.

O MPF tem como objetivo coletar 1,5 milhão de assinaturas para apresentar o projeto de lei de iniciativa popular ao Congresso Nacional. O cidadão pode procurar a unidade do MPF mais próxima de seu domicílio para assinar a ficha de apoiamento (confira os endereços:http://www.pgr.mpf.mp.br//conheca-o-mpf/procuradores-e-procuradorias/prs/) ou imprimir a ficha a partir do site, coletar dados e assinaturas e depois entregar em uma sede do MPF ou enviar pelo correio para o endereço da Força-Tarefa Lava Jato em Curitiba: Procuradoria da República no Paraná, Rua Marechal Deodoro, 933 – Centro, Cep 80060-010 – Curitiba/PR.
As medidas buscam, entre outros resultados, agilizar a tramitação das ações de improbidade administrativa e das ações criminais; instituir o teste de integridade para agentes públicos; criminalizar o enriquecimento ilícito; aumentar as penas para corrupção de altos valores; responsabilizar partidos políticos e criminalizar a prática do caixa 2; revisar o sistema recursal e as hipóteses de cabimento de habeas corpus; alterar o sistema de prescrição; instituir outras ferramentas para recuperação do dinheiro desviado.
Elaboração das medidas – A partir da experiência de sua atuação e tendo em vista trabalhos recentes como a Operação Lava Jato, o Ministério Público Federal apresentou, no dia 20 de março, dez medidas para aprimorar a prevenção e o combate à corrupção e à impunidade. As propostas começaram a ser desenvolvidas pela Força-Tarefa Lava Jato em outubro de 2014 e foram analisadas pela Procuradoria-Geral da República em comissões de trabalho criadas em 21 de janeiro deste ano.
O lançamento foi feito pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pelos coordenadores da Câmara de Combate à Corrupção do MPF, Nicolao Dino, da Câmara Criminal do MPF, José Bonifácio Andrada, e pelo coordenador da Força-Tarefa Lava Jato do MPF no Paraná, Deltan Dallagnol.
Na ocasião, Janot explicou que, ao assumir o cargo de procurador-geral da República, colocou como ênfase atuar de forma propositiva na melhoria do sistema penitenciário brasileiro e combater a corrupção. Ele falou sobre a criação da Câmara de Combate à Corrupção para coordenar a atuação nessa área tanto no viés penal quanto não penal e acrescentou que, nesse âmbito, criou comissões de trabalho com o objetivo de encaminhar sugestões de mudança legislativa para implementar medidas de combate à corrupção.
Leia mais

Dirigida por João Santana, propaganda do PT tentará comparar corrupção do governo Dilma com a do PSDB

dilma
A presidente Dilma Rousseff gravou neste sábado, 25, cenas para o programa de TV do PT, que irá ao ar em 6 de agosto, dez dias antes das manifestações de rua previstas contra o governo. Dirigida pelo marqueteiro João Santana, a propaganda tentará mostrar que, apesar da crise, o Brasil de hoje é um país melhor do que há 13 anos, quando era governado pelo PSDB.

Editorial do jornal O Estado de S. Paulo, desta segunda-feira, revela que o governo investirá pesado para tentar salvar o mandato da presidente, com gastos fabulosos com viagens do ex-presidente Lula para o Nordeste articulando “movimentos sociais”, novos sites do governo na internet, campanhas pelas redes sociais e outras providências ao que parece determinadas pelo ministro sem pasta da Dilma, o indefectível João Santana, o marqueteiro de todos os ditadores latino-americanos e africanos.
Ainda segundo o editorial, a cassação do mandato da Dilma é, por isso mesmo, dada como certa.
Leia o editorial do Estadão:
É preciso acabar de uma vez por todas com a lenda segundo a qual a presidente Dilma Rousseff enfrenta imensas dificuldades políticas porque não é afeita ao varejo das negociações com o Congresso e porque ela tampouco se anima a se expor aos eleitores em busca de popularidade. O desastre de sua presidência não resulta dessas características, e sim de sua incontestável incapacidade de diagnosticar os problemas do País e de ministrar-lhes os remédios adequados. A esta altura, a maioria absoluta dos brasileiros, de todas as classes sociais, já se deu conta de que o problema de Dilma não é sua reclusão ou sua ojeriza aos políticos, mas simplesmente sua incompetência. Prometeram-lhes uma “gerentona” e lhes entregaram uma estagiária.
Portanto, tende a ser inútil a mais nova ofensiva de comunicação planejada pela assessoria da presidente com o objetivo de reverter o mau humor do País em relação ao governo petista. Inútil porque, enquanto se tenta mostrar uma Dilma mais “humana”, que é o que pretendem os marqueteiros do Planalto, conforme revelado em recente reportagem do Estado, os problemas concretos que resultam de sua má gestão continuarão a assombrar os brasileiros na vida real, especialmente o desemprego, a queda da renda e a inflação.
A mudança na comunicação de Dilma é tratada como questão de urgência urgentíssima, pois a pressão sobre a presidente é intensa. Estão programadas para o dia 16 de agosto manifestações que, a julgar pela pronunciada queda de popularidade da presidente, devem ter grande afluência e visibilidade. Além disso, crescem as suspeitas de que as falcatruas constatadas pela Operação Lava Jato podem ter ajudado a irrigar as campanhas eleitorais petistas, inclusive a de Dilma. E há também a percepção de que a irresponsabilidade fiscal da presidente ao longo de seu primeiro mandato, maquiada por truques contábeis, pode resultar em um processo que comprometa de vez o seu mandato. Tudo isso se dá em meio à certeza de que sua base no Congresso é apenas nominal, não representando nenhuma garantia de sustentação, especialmente em meio ao azedume da opinião pública nacional com o espantoso escândalo de corrupção na Petrobrás e com o desastre na economia.
Anuncia-se que o novo arsenal de comunicação de Dilma incluirá a participação da presidente em programas populares de TV e também a criação de um site chamado Dialoga Brasil, em que ministros responderão a dúvidas, sugestões e críticas dos internautas sobre programas do governo. Além disso, Dilma pretende fazer um giro por cidades do Nordeste com a difícil missão de tentar demonstrar que ainda tem popularidade – ela teve expressiva votação na região na eleição de 2014, mas mesmo lá, segundo as últimas pesquisas, a desaprovação a seu governo disparou.
As recentes tentativas de Dilma para melhorar sua imagem foram feitas a partir de iniciativas pessoais, com resultados embaraçosos – ela chegou a saudar a mandioca e a elogiar a “mulher sapiens” em um discurso. Além disso, ao dizer que defenderia seu mandato “com unhas e dentes”, Dilma trouxe o tema do impeachment definitivamente para a pauta política. Até os áulicos da presidente consideraram essas manifestações desastrosas.
Agora, porém, a mobilização do Planalto parece se dar de acordo com as diretrizes de seu padrinho, o ex-presidente Lula, que várias vezes cobrou de Dilma que viajasse mais pelo País e encostasse “a cabeça no ombro do povo” para ouvir suas queixas. Lula também pretende viajar pelo Nordeste e convencer os movimentos sociais a se mobilizar na defesa de sua afilhada. A estratégia para “vender” um governo ativo, com uma “agenda positiva”, foi combinada por Lula com Dilma em um encontro no Alvorada na semana passada, segundo o jornal O Globo.
Dilma, Lula e os petistas agarram-se assim à crença de que basta melhorar a comunicação com os eleitores para que esse combalido governo comece a respirar e a dar a volta por cima. De fato, a atividade política é baseada em imagem, marketing e slogans, mas, como mostram as agruras de Dilma, só isso não é suficiente: se a embalagem do produto vendido estiver vazia, o consumidor se sentirá enganado e não tornará a comprá-lo.
Leia mais

Renan rebate Veneziano e dispara: “Saia da condição de verme, vire homem e fale a verdade”


renan trajano2Em entrevista ao Correio Debate, na tarde desta segunda-feira (27), o ex-tesoureiro da Prefeitura de Campina Grande, Renan Trajano, rebateu as acusações feitas a ele pelo ex-prefeito de Campina Grande, Veneziano Vital do Rego e disse que não tinha medo dele e nem do seu irmão, o ministro do TCU, Vital do Rego e disparou: “Saia da condição de verme, vire homem e fale a verdade, Veneziano”
Renan disse ainda que as denúncias contra Veneziano e Vital do Rego são “um pingo d’água no oceano”. Ele revelou que foi responsável por coletar cheques sem fundo na praça, emitidos durante a campanha eleitoral dos irmãos, além de ser responsável por mediar as conversas com empresas que que faziam o serviço de coleta de lixo para que não fosse interrompido por falta de pagamento.
Trajano adentou na questão pessoal e revelou também que por diversas vezes emprestou sua CNH para o ex-prefeito Veneziano Vital para que este pudesse frequentar motéis na cidade, para que não tivesse sua identidade revelada.
O ex-diretor financeiro garantiu que vai resolver as pendências com o ex-prefeito na Justiça e disse não temer os irmãos Vital do Rego.
Simone Duarte
Leia mais

PMCG comemora Semana do Agricultor a partir desta terça-feira


feira do agricultorA Semana do Agricultor será comemorada pela Prefeitura Municipal de Campina Grande. A programação comemorativa, a ser desenvolvida pela Secretaria Municipal de Agricultura, começa nesta terça-feira, 28, às 9h, com a entrega de cisternas na comunidade Várzea do Arroz, no Distrito de Galante.
As atividades prosseguem na quarta-feira, 29, às 10h, com a construção de barragem subterrânea, no assentamento Antônio Eufrozino, na comunidade Monte Alegre, no Distrito de São José da Mata.
Ainda na sede do Distrito de São José da Mata, nesta quinta-feira, 30, às 8h, haverá solenidade em comemoração ao Dia do Agricultor em parceria com a Emater e a Cooperativa dos Produtores Rurais dos Municípios de Campina Grande e Boa Vista (Coopgrande).
Finalmente, na próxima sexta-feira, dia 31, às 8h, no Sítio São João, haverá café da manhã para os agricultores, encerrando a Semana do Agricultor.
O secretário de Agricultura, Fábio Medeiros, considera a programação muito importante por conta da justa homenagem a ser dada aos agricultores, que representam um importante segmento da economia local.
“Por isso, também, sob o comando do prefeito Romero Rodrigues, temos desenvolvido o máximo de ações para a melhoria das condições de vida e de trabalho dos nossos agricultores”, afirmou.
Leia mais

Dívida pública sobe 3,5% em junho, para R$ 2,5 trilhões

A dívida pública federal, que inclui os endividamentos interno e externo do governo, registrou aumento de 3,5% em junho deste ano, para R$ 2,58 trilhões, segundo informações divulgadas nesta segunda-feira (27) pela Secretaria do Tesouro Nacional. Em maio, o endividamento público estava em R$ 2,49 trilhões.
Em 12 meses, a dívida pública cresceu 17,28%, segundo os dados do Tesouro. Em junho de 2014, o estoque da dívida era de R$ 2,2 trilhões.

Os números oficiais mostram que o aumento da dívida em junho deste ano está relacionado com a emissão líquida (o governo emitiu mais dívidas do que pagou) e com a apropriação de juros sobre o estoque do endividamento brasileiro.
 

DÍVIDA PÚBLICA
Em R$ trilhões
2,22,172,162,182,152,22,292,242,322,442,452,492,58em R$ trilhõesjun/14jul/14ago/14set/14out/14nov/14dez/14jan/15fev/15mar/15abr/15mai/15jun/152,12,22,32,42,52,62,7
Fonte: Tesouro Nacional
No mês passado, foram emitidos R$ 66,58 bilhões em papéis da dívida federal, ao mesmo tempo em que foram resgatados (pagos) R$ 2,52 bilhões. Com isso, a emissão líquida somou R$ 64,05 bilhões. Ao mesmo tempo, as despesas com juros totalizaram R$ 23 bilhões.

Segundo o coordenador de Operações da Dívida Pública, Leandro Puccini Secunho, o aumento da dívida no mês passado é uma “questão sazonal”. “O mês de junho, especificamente, é um mês de baixíssimo vencimento, só venceram R$ 2 bilhões. Por ter pouco vencimento, é um mês de emissão líquida, então é natural esse aumento de dívida. Assim como o mês de junho tem um aumento da dívida, o mês de julho, como tem um vencimento grande, essa dívida provavelmente vai reduzir ou vai ter um aumento menor do que houve em junho”, explicou.

Interna e externa
Os números do Tesouro mostram que a dívida interna do país cresceu, enquanto a externa se reduziu. A dívida federal interna cresceu 3,81% de maio para junho, atingindo R$ 2,462 trilhões. Já a externa teve queda de 2,34%, para R$ 121,28 bilhões.

A parcela dos títulos com remuneração prefixada passou de 41,92% em maio para 42,52%  em  junho. Já a dos títulos indexados a índice de preços teve redução de 32,85% para 32,62%. Os títulos remunerados por taxa flutuante tiveram participação um pouco menor, passando de 20,21% para 20,15%.

Programação para 2015
De acordo com a Secretaria do Tesouro Nacional, a dívida pública pode chegar ao patamar máximo de R$ 2,6 trilhões no fim deste ano – R$ 305 bilhões a mais em relação ao fechamento de 2014.

O Plano Anual de Financiamento (PAF) da dívida pública, feito pelo Tesouro Nacional, também estabelece um piso de R$ 2,45 trilhões para o débito público no fim deste ano, o que representaria uma alta de R$ 155 bilhões em comparação com dezembro do ano passado.

Conforme Secunho, a expectativa é chegar ao final do ano cumprindo a meta estabelecida para 2015.

Em 2015, os vencimentos de títulos públicos previstos somam R$ 571 bilhões, ao mesmo tempo em que os encargos da dívida pública totalizam R$ 63 bilhões. O governo prevê, entretanto, o uso de R$ 147,1 bilhões em recursos orçamentários para pagar os vencimentos neste ano.
Leia mais

Ministro diz que câmbio tende a se estabilizar e inflação a cair, em 2016

O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, disse em entrevista coletiva no Palácio do Planalto nesta segunda-feira (27), ao ser questionado sobre a alta do dólar, que o câmbio tende a se estabilizar. Ele também afirmou que a inflação deve ter uma redução "mais rápida" em 2016.
O dólar subiu pelo quarto dia seguido nesta segunda, pressionado pela apreensão dos investidores com as perspectivas fiscais do Brasil e pelo forte tombo da bolsa chinesa. Perto de 12h35, a moeda norte-americana tinha alta de 0,23%, a R$ 3,3547 na venda. Na máxima da sessão, a moeda norte-americana subiu 1,06%, a R$ 3,38.
"Neste momento é natural que os preços flutuem. Para isso, nós temos o sistema de câmbio flutuante. Nós temos confiança que os mercados vão se ajustar a esse novo cenário e a taxa de câmbio tende a se estabilizar. Em qual patamar ela vai se estabilizar, é o mercado que determina. Nós optamos já há muito tempo a trabalhar com o sistema de câmbio flutuante", afirmou o ministro.

Na reunião, segundo Barbosa, um dos temas debatidos foi a revisão da meta de superávit fiscal, de 1,2% para 0,15% do PIB em 2015, anunciada na semana passada. O ministro foi questionado sobre a reação do mercado ao anúncio. Barbosa afirmou que o mercado flutua diante de novas informações.
Barbosa deu entrevista coletiva com outros dois ministros, Gilberto Kassab (Cidades) e Eliseu Padilha (Aviação Civil), após reunião de coordenação política com a presidente Dilma Rousseff. A coordenação política, que se reúne todas as segundas-feiras, contou ainda com a presença do vice-presidente, Michel Temer, e outros oito ministros.
"Os mercados estão fazendo o que os mercados fazem. Eles flutuam diante de novas informações, não só no Brasil, como no resto do mundo", disse.
Inflação
O ministro também comentou sobre a inflação no país. Ele disse que o índice, apesar do aumento "temporário" deste ano, deve ter redução "mais rápida" em 2016.

"Temos um aumento temporário da inflação este ano, mas as expectativas para o ano seguinte indicam uma redução mais rápida da inflação.Estamos em uma fase de reequilíbrio, de ajuste. Durante essa fase, há um aumento da inflação e uma retração da atividade econômica, com flutuação de alguns preços. Mas a direção está mantida, a direção de reequilíbrio macroeconômico, de manutenção da estabilidade fiscal e monetária e, principalmente, a direção de recuperação do crescimento", disse o ministro.
Leia mais

Serviço de transporte coletivo muda em Campina Grande a partir de agosto, diz STTP

O serviço de transporte urbano em Campina Grande deve mudar a partir do dia 5 de agosto. De acordo com a Superintendência de Trânsito e Transportes Públicos - STTP, os dois Consórcios vencedores da licitação para operar o serviço na cidade pelos próximos 15 anos já passarão a administrar as linhas. Os roteiros, itinerários e horários permanecerão os mesmos, mas os veículos devem mudar.Os contratos das Ordens de Serviços com os dois Consórcios foram assinados no dia 5 de julho e a partir do dia 5 de agosto eles passarão a administrar as linhas para as quais foram escolhidos na licitação realizada no início do ano. A cidade foi dividida em três regiões (Norte, Oeste e Sul). O Consórcio Santa Verônica, formado pela fusão pelas empresas Cruzeiro e Transnacional, ficou com a zona Sul, e o Consórcio Santa Maria, formado pelas empresas Cabral e Nacional, ficou responsável pelas zonas Norte e Oeste, que engloba o distrito de São José da Mata.

A Transnacional junto com a Cruzeiro irá compor o Consórcio Santa Verônica

A Gerente de Transporte, Aracy Brasil, explicou que as zonas serão divididas por cores e que a partir de agosto as novas empresas já se instalam nas linhas. As 7 empresas que operam atualmente e que não participaram da licitação deixarão de atuar a partir do dia 5, incluindo a empresa que presta o serviço em São José da Mata há mais de 50 anos. "Inicialmente, os carros dos Consórcios vão atuar sem identificação, terão apenas o nome e o número da linha e a cor da zona. Os consórcios têm até 120 dias para adequar os veículos à identidade visual. Passado este período, já teremos como identificar a melhor forma de cada um atuar e poderá haver mudanças nas rotas", explicou. Aracy informou que os carros que vão ser utilizados pelos Consórcios já foram vistoriados e estão todos adequados. Semana passada, o valor da tarifa de ônibus subiu em Campina Grande de R$ 2,30 para R$ 2,55. Os passageiros esperam que as medidas surtam em melhoria no serviço. O Secretário de Administração da cidade garantiu que isto deve acontecer. "Esta é uma forma de garantir investimentos e melhorias no transporte público da cidade porque as empresas vão empreender sabendo que terão retorno pois têm concessão pelos próximos quinze anos. Os consórcios têm a obrigação de promover cursos voltados para o setor com a comunidade e com os funcionários para qualificar o serviço. Eles precisarão melhorar os ônibus e o sistema de leitura dos cartões de passagens e poderão ser multados, caso não o façam", disse.
Leia mais

Em retaliação ao governo, Cunha monta ‘pauta-bomba’ na Câmara

Após ser acusado pelo o ex-consultor da Toyo Setal Júlio Camargo de cobrar U$S 5 milhões de propina para viabilizar contratos com a Petrobras, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), prepara uma “pauta-bomba” para incomodar o Palácio do Planalto. As informações são do jornal O Globo.
Entre os temas incômodos ao governo que devem entrar na pauta da Câmara estão: a criação das CPIs do BNDES e dos Fundos de Pensão; a votação das prestações de contas pendentes dos governos anteriores para deixar o caminho livre para a análise das contas de Dilma do ano passado e a análise de vetos presidenciais a projetos aprovados pelo Congresso, como o que muda as regras para a aposentadoria.
Além disso, Cunha também deu celeridade a 12 pedidos de impeachment da presidente Dilma que estavam engavetados desde o início do ano. A intenção do presidente da Câmara é tê-los prontos par análise em meados de agosto.
“Cunha admite que será árida a jornada do governo no segundo semestre, mas nega que tenha contribuído para isso. Para ele, as dificuldades se devem mais à baixa popularidade de Dilma e à consequente falta de apoio da base aliada do que propriamente aos temas que a Câmara irá analisar”, informa O Globo.
Leia mais

Trajano revela existência do “mensalinho” na CMCG e diz que oito vereadores recebiam “propina”


Sobre vereadores que recebiam "mensalinho" de Vené, Trajano diz: "Será um inferno. Deixemos a justiça apurar"

cmcg frenteAlém de todas as denúncias de Caixa 2 para as campanhas eleitorais da família Vital do Rego, o ex-diretor financeiro da Prefeitura Municipal de Campina Grande, Renan Trajano revelou a existência da compra de apoio político por parte do então prefeito, Veneziano Vital de vereadores, na Câmara Municipal, ao que ele denominou como “mensalinho”.
“Sim, os vereadores da cidade eram comprados através do mensalinho. O mensalinho era determinado pelo prefeito e depois era distribuído os recursos, então cada vereador recebia uma quantia determinada pelo prefeito Veneziano para seu apoio integral nas campanhas. Na maioria das vezes eu era quem fazia o pagamento aos vereadores. Os pagamento eram feitos no meu escritório”, disse Renan.
Os valores pagos aos vereadores eram diferenciados, segundo depoimento do ex-tesoureiro, Renan Trajano e variaram conforme a “densidade eleitoral” de cada parlamentar do legislativo. “Variava, nas campanhas começava com valores baixos, mil, dois mil, três mil, cinco, oito, dez, doze ia aumentando. Dependendo da semana de como se buscava, fracionava, dividia, de acordo com o peso eleitoral de cada um, vereadores que tinham mais votos recebiam mais…”, revelou Renan.
Ainda segundo o ex-diretor financeiro, os próprios vereadores iam buscar os valores liberados pelo ex-prefeito Veneziano Vital. O objetivo desses pagamentos aos parlamentares da CMCG era ter em troca o apoio dos mesmos às campanhas eleitorais da família Vital e também o apoio no próprio legislativo para aprovar projetos de interesse do Executivo campinense.
“O mensalinho era feito por Veneziano aos vereadores para que eles apoiassem as campanhas eleitorais da família e também para aprovar projetos na Câmara. Inclusive, teve uma emenda que impedia Veneziano de ter as contas aprovadas, um desses anos, teve um gasto sem dotação orçamentária, sem previsão orçamentária, foi para ser votado na Câmara e isso foi exigido uma comissão, foi cobrado um valor para que eles aprovassem…. o procurador do município à época, Fabio Thomas foi quem pediu e eu viabilizei para que ele pudesse pagar aos vereadores e o projeto pudesse ser aprovado. Essa operação custou R$ 200 mil”, revelou Trajano.
Renan disse ainda os vereadores agradeciam a ele porque sabiam que era o responsável por levantar os recursos e pelos repasses. “Eles me agradeciam, eu tinha um trâmite legal com eles, com todos eles. Todos eram ‘íntimos’ à época, hoje sequer atendem um telefone. Sempre me ligavam para saber se ia dar certo, ligavam cobrando. Na maioria das vezes, quando demorava, ligavam fazendo ameaças, dizendo que não haveria mais tempo de ser votado, etc..
O Blog da Simone conversou com Renan Trajano, na manhã desta segunda-feira (27), para obter o nome dos oito vereadores que recebiam o “mensalinho”, mas ele preferiu não revelar e disse que também não o fez a Folha de São Paulo. “Eu fiz a primeira representação em maio do ano passado, e como lhe disse só quero paz, ele (Rubens Valente) também perguntou mas eu não disse,. Está em juízo. Será um inferno. Deixemos a justiça apurar, por favor entenda que não tem nada de pessoal…. Vai ser difícil essa fase, mas tudo está no controle de Deus”, desabafou Trajano.
Simone Duarte
Leia mais
 
FALA PREFEITO | Layout: Lenildo Ferreira Consultoria em Comunicação Contato © Blog de responsabilidade do radialista Edson Pereira